Estou fazendo o meu papel. Jamais vou deixar de colocar o que está errado. Estou fazendo o meu papel, fui eleito para estar na oposição e serei oposição até o último dia de meu mandato
disse vereador Tom ao se defender de críticas 0



Últimos Comentários



Enquete


Blog

Mãe que mandou matar filho o rejeitava por ser negro

Nadja Carneiro Silva, de 65 anos, suspeita de ter mandado o filho Anúbio Silva Santos assassinar a facadas o outro Rafael Silva Santos, 21 anos, crime ocorrido no dia 9 deste mês no bairro Sitio Matias, foi presa na manhã desta sexta-feira, 14, após se apresentar na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Feira de Santana (a 108 km de Salvador). A prisão aconteceu em cumprimento a um mandado de prisão preventiva decretada pelo juiz Gustavo Hungria, titular da vara do juri e execuções penais.

Nadja que chegou à delegacia acompanhada do advogado Marcilio Aquino, se limitou a falar para a imprensa que era inocente e que amava os filhos. Uma filha da suspeita, Rafaela dos Santos Bispo desmentiu a mãe e a acusou de ser a mandante do crime. "Ela estava na casa de minha irmã, sim, pois quando liguei para o celular dela a ouvi mandar o meu irmão matar o Rafael, ela gritava 'mata ele logo, mata, mata', agora vem dizer que não estava lá. Mentirosa, isto é o que ela é", acusou.

Bastante emocionada, Rafaela teve que ser contida por policiais civis no momento em que a mãe era conduzida para a carceragem. "Assassina, monstra, mentirosa. Você vai pagar por ter tirado a vida do Rafael. Você não ama ninguém", gritou, tentando alcançar a mãe.

Ela contou que Nadja teve sete filhos, cada um de um pai e que nunca gostou de Rafael por ele ser negro. Aos nove anos, segundo Rafaela, o irmão foi deixado pela mãe em uma orfanato e só retornou para o convívio familiar aos 16 anos. "Ela não gostava dele, na verdade de nenhum dos filhos. Ela sempre nos maltratou e agrediu". Meu irmão morava comigo e sempre que encontrava com ela, ela o xingava e o agredia. Ela não vale nada. Para mim ela morreu", disse.

Em depoimento, Nadja informou para a delegada Herundina Nunes que não mandou matar o filho e que discutiu com ele momentos antes do crime eplo fato dele ter bebido água diretamente na garrafa e ele o agrediu. Mais tarde, ela teria ido na casa da filha levar uma encomenda acompanhada do filho Anúbio e lá encontraram o Rafael.. "Ela disse que ao chegar na casa da filha os irmãos começaram a discutir e que ela saiu para chamar familiares e ao retornar viu o filho sujo de sangue a puxando pára ir embora e que só ficou sabendo do que ele tinha feito após sair do local", informou a delegada.

A delegada informou ainda que Ndja foi indiciada como co-autora no crime de homicídio e que Anúbio Silva Santos é considerado foragido, uma vez que sua prisão preventiva também foi decretada. "Iremos concluir o inquérito e encaminhar para a justiça. Mas continuaremos em diligencias para localizar e prender o Anúbio que é o autor do crime", afirmou.

Nadja foi submetida a exames de corpo de delito no Departamento de Polícia Técnica (DPT) e encaminhada para o Conjunto Penal de Feira de Santana.  

O CRIME

Rafael Silva Santos foi morto com uma facada no tórax após discutir com o irmão Anúbio Silva Santos e com a mãe Nadja Carneiro. Familiares informaram que a vítima teria bebido água diretamente na garrafa que estava na geladeira, fato que deixou a mãe irritada e iniciou-se uma discussão. Anúbio teria se envolvido na briga e a mãe mandou que ele pegasse uma faca e matasse o Rafael. (A Tarde)




Colunistas


Classificados